Fale conosco pelo WhatsApp

Anestesia para cirurgia

A função da anestesia para cirurgia é fazer com que o paciente não sinta dor e desconforto durante o procedimento cirúrgico.

Existe mais de um tipo de anestesia para cirurgia que pode ser administrada, sendo que a indicação da técnica anestésica é dada pelo anestesiologista na avaliação pré-anestésica e com base na saúde e no porte do procedimento a ser realizado.

Na anestesia geral, o paciente dorme e perde a sensibilidade de todo o corpo, enquanto na anestesia parcial apenas uma parte do corpo fica anestesiada.

Para tornar o entendimento sobre o tema o mais didático, os profissionais da Clínica Médica Integrada de Anestesiologistas (CMIA), responderam aos principais questionamentos sobre as anestesias para cirurgia. Confira a seguir.

Importância da anestesia na cirurgia

O papel da anestesia durante a cirurgia é garantir que o paciente não sinta dor e mantenha o equilíbrio das diversas funções do corpo (homeostase) durante o procedimento. Para isso, são administrados fármacos que bloqueiam estímulos nervosos dolorosos e reduzam as respostas hormonais.

A analgesia continua no pós-operatório imediato para que o paciente se recupere da forma menos traumática possível, ou seja, sem dor e desconforto. Por isso o serviço de anestesiologia é tão importante em todo o processo de intervenção cirúrgica.

Sem a anestesia para cirurgia o paciente sentiria todas as dores do manuseio, fato esse que ocorria em meados de 1800, quando as cirurgias eram feitas com o paciente acordado. O resultado era o alto índice de mortalidade e muitas complicações posteriores aos pacientes.

Em 1842 foi feita a primeira experiência anestésica com o uso de éter sulfúrico, sendo a técnica aperfeiçoada pela medicina ao longo de todos esses anos.

Tipos de anestesias para cirurgias

As técnicas anestésicas podem ser divididas em três tipos distintos. São eles:

Sedação: O paciente fica inconsciente, sendo que o seu efeito pode ser leve, moderado ou profundo. A quantidade a ser administrada dependerá do tipo de procedimento a ser realizado.

Anestesia geral: O paciente fica totalmente inconsciente durante todo o procedimento, seja ele cirúrgico ou diagnóstico.

Anestesia Parcial: O anestesiologista administra fármacos que vão interromper a condução nervosa de determinada parte do corpo.  Pode ser subdivida em anestesia local, bloqueio do neuro-eixo (raquianestesia/peridural) e bloqueio de nervos periféricos. A essa técnica pode ser associada sedação ou anestesia geral para melhor conforto do paciente.

Qual o tempo de duração de uma anestesia para cirurgia?

O tempo de duração varia de acordo com a complexidade do procedimento. Ou seja, o tempo de duração da anestesia para cirurgia é com base na terapia a ser feita. Exemplificando, em um procedimento de biópsia a anestesia pode durar 30 minutos.  Em uma cirurgia do coração, pode vir a ser necessária uma anestesia com duração superior a cinco horas.

Anestesia para cirurgia: quais os perigos?

O avanço da medicina fez com que os riscos da anestesia para cirurgia sejam mínimos. Uma forma de minimizar possíveis complicações e reações adversas à anestesia são previamente identificados na consulta pré-anestésica.

O anestesiologista fará uma análise clínica criteriosa do paciente, dos exames pré-operatórios e pode ainda solicitar diagnóstico complementar, tudo para garantir a segurança e o bem-estar do paciente. A decisão quanto a técnica anestésica é com base na saúde do paciente em conjunto a complexidade da cirurgia.

Essas foram apenas algumas dúvidas acerca da anestesia para cirurgia. Caso ainda tenham restado outros questionamentos, entre em contato com a CMIA, que terá a satisfação de tirar todas as dúvidas.

 

Fonte:

CMIA;

Sociedade Brasileira de Anestesiologia;

MD. Saúde;

National Institute of General Medical Sciences.

05/11/2019